ÚLTIMAS NOTÍCIAS

O futuro da NBA: os 25 abaixo dos 25

Por João Dannemann

O futuro da NBA é brilhante. Qualquer um que acompanha a maior liga de basquete do mundo consegue afirmar isso sem sombra de dúvidas. A quantidade de ótimos jovens jogadores na liga é incrível e o talento deles é mais ainda. Além disso, o jogo se expande globalmente. A cada ano que passa, a NBA atinge mais países e angaria mais jogadores e fãs estrangeiros.

Quem me conhece, sabe que eu amo classificar as coisas. E, pensando nisso e no tal futuro brilhante da NBA, porque não rankear os 25 melhores jogadores abaixo dos 25 anos? Apenas contando jogadores que ainda não completaram 25 anos de idade, foi difícil selecionar apenas 25 e ainda mais ordenar, mas, em cada posição haverá uma justificativa fundamentada, considerando desempenho, potencial, qualidade técnica, tática e muito mais. Confira:

  • 25 - Kendrick Nunn (24 anos, Miami Heat):

O armador do Miami Heat é uma das gratas surpresas da temporada 2019-20 até o momento. Nunn se delcarou para o draft da NBA em 2018 e nem foi selecionado. Depois disso, passou um ano na G-League e, na pré-temporada, recebeu um voto de confiança da franquia de Miami. Voto esse que foi muito bem correspondido. Ele, sem dúvidas, é um dos melhores novatos da temporada, junto com Ja Morant e Zion Williamson, certamente figurará no All-Rookie Team

Tem médias de 15,6 pontos e 3,4 assistências por jogo e tomou a titularidade do experiente Goran Dragic. Nunn tem potencial para ser um armador de sucesso na liga, com um estilo de jogo muito parecido ao de Russell Westbrook, por exemplo. Muita explosão, ótimo infiltrador e grande poder atlético. Deve figurar como All-Star em algum momento da carreira.

  • 24 - Lonzo Ball (22 anos, New Orleans Pelicans):

Lonzo foi draftado em segundo lugar pelos Lakers em 2017 e tinha um grande hype ao seu redor, principalmente na franquia que desembarcou. Porém, Ball não correspondeu à altura. Foi eleito para o All-Rookie Second Team na sua primeira temporada e, ao final do seu segundo ano, foi envolvido na troca com Anthony Davis. Lonzo é um armador de técnica incontestável, com ótima visão de quadra, mas não tão bom arremessador, fundamento pelo qual recebe muitas críticas. Além disso, muito do seu estrelismo e queda se deve a seu pai, LaVar Ball, que, sendo bem sincero, é um lunático.

Apesar das boas médias na carreira, 10,9 pontos, 6,6 assistências e 6,2 rebotes por jogo, ele ainda não disse à que veio na liga e tem muito potencial para crescer e se desenvolver muito mais. Agora nos Pelicans ele encontra um ambiente muito mais propício para sua melhora, com fãs menos rígidos, numa franquia nada tradicional e recheado de jovens talentos ao seu lado, como Zion Williamson e Brandon Ingram (que também aparecerão nessa lista, mais à frente).

  • 23 - Jonathan Isaac (22 anos, Orlando Magic):

O jovem ala está na sua terceira temporada na liga e seus números estão melhores do que nunca. Isaac tem, nessa temporada, suas melhores médias da carreira nos cinco principais fundamentos: 12 pontos, 6,9 rebotes, 2,4 tocos, 1,6 roubos de bola e 1,4 assistências por jogo na NBA. Não só isso mas em 2019-20 ele se firmou como um dos melhores defensores da liga e isso não é pra qualquer um. Ele é o segundo melhor bloqueador da liga e está entre os 20 melhores ladrões de bola.

Isaac, que certamente estará no All-Defensive Team esse ano, tem um belo futuro como um dos melhores defensores da NBA, posto que não é facilmente alcançado. Seu tamanho, para um ala, é uma das suas maiores virtudes: 2,11m de altura e 2,16m de envergadura. Mas, ainda assim, é um jogador ágil e capaz de se movimentar bem pela quadra. Para alcançar vôos mais altos, precisa melhorar sua capacidade no setor ofensivo, principalmente no arremesso de média e longa distância.

  • 22 - Aaron Gordon (24 anos, Orlando Magic):

Mais uma jovem estrela de Orlando, essa já mais estabelecida do que Jonathan Isaac, Aaron Gordon tem o pacote completo para se tornar um ala-pivô incrível na liga: é um pontuador prolífico, extremamente atlético, com ótima visão de quadra para sua posição e um defensor capaz de marcar jogadores de diferentes tamanhos e capacidades. A franquia do Magic vem fazendo boas mudanças nos últimos anos e Gordon só precisa de mais alguns ajustes para se firmar de vez.

Ele tem médias muito boas de 12,7 pontos e 6,4 rebotes na carreira, além de ter participado duas vezes do Slam Dunk Contest e ficado em segundo, contestavelmente, nas duas. Até por isso, ele já deixou sua marca na história da liga. Mesmo tão jovem, Gordon já é considerado um dos melhores enterradores de todos os tempos por causa das suas participações incríveis no torneio. 

  • 21 - Jaren Jackson Jr. (20 anos, Memphis Grizzlies):

Filho de Jaren Jackson, que passou por uma carreira sólida de 12 anos na NBA, Jaren Jackson Jr. é um dos mais jovens talentos de sua geração. Ele foi o jogador mais novo a entrar na liga em 2018, mas não sentiu a pressão, sendo eleito para o All-Rookie First Team. Na sua segunda temporada, uma melhora significativa comprovou o que a maioria já sabia: ele vai ser um All-Star perene daqui a alguns anos.

Um ala-pivô esguio, atlético e muito técnico para alguém de seu tamanho, Jackson encontrou em Memphis um ótimo lugar para lapidar seu talento. A franquia passa por uma remodelação e aposta muito na juventude da equipe para um belo futuro. Jaren Jackson Jr. e Ja Morant são os dois principais pilares dessa repaginação em Memphis. Com os jovens provando seu valor, os Grizzlies tendem a voar baixo nas próximas temporadas.

  • 20 - John Collins (22 anos, Atlanta Hawks):

2019-20 é a temporada da carreira de Collins até então. Fazendo uma bela dupla de one-two-punch com Trae Young, o ala-pivô se transformou num atleta capaz de dar 20 pontos e 10 rebotes por jogo, facilmente. Com médias de 21,6 pontos, 10,1 rebotes e 1,6 tocos por jogo, o jovem jogador vem mostrando que seu futuro é, de fato, entre os melhores da liga.

Collins está em uma das melhores franquias para desenvolvimento de atleta na NBA. Atlanta é um grande centro, tradicional no basquete e com jovens muito promissores no elenco. Ele é empolgante de se ver em quadra. Tem alta capacidade atlética, muita força física, uma impulsão invejável, além de ser um defensor muito qualificado. O futuro dos Hawks passa muito pelas enterradas e tocos de John Collins, sem dúvidas.

  • 19 - Myles Turner (24 anos, Indiana Pacers):

Turner vem de uma geração na qual os pivôs preferem arremessar de três do que se envolver em brigas no garrafão. E vai totalmente de encontro a isso. Ele é um ótimo arremessador à distância, é verdade, com aproveitamento de 35,4% na carreira nos arremessos de três pontos, mas é no garrafão que Turner fez seu nome. Hoje, é considerado um dos melhores protetores do aro na NBA, ainda na sua quinta temporada na liga, com média impressionante de 2,1 tocos por jogo na carreira.

Para alcançar um novo patamar na carreira, Myles precisa de duas coisas fundamentais: melhorar a parte ofensiva do seu jogo, já que ele já é um defensor consolidado, e se firmar como um dos protagonistas na sua equipe. A segunda parte, deve-se ao fato do crescimento de seu companheiro de time e de garrafão, Domantas Sabonis, que inclusive já participou do All-Star Game nessa temporada. Myles precisa aprender a complementar o lituano e não ficar na sua sombra. 

  • 18 - De'Aaaron Fox (22 anos, Sacramento Kings): 

Rapidez. Essa é a melhor definição de De'Aaron Fox como jogador da NBA. O jovem armador dos Kings é literalmente o atleta mais rápido da liga e essa é uma qualidade subestimada no basquete. Muito por conta disso, o Sacramento Kings foi o time com mais pontos em contra-ataques nas duas últimas temporadas da NBA. Mas se engana quem pensa que Fox é só velocidade. Ele é dono de uma técnica invejável, capacidade atlética anormal e habilidades defensivas sensacionais.

Não há dúvidas que, mantendo-se saudável, Fox vai ser um All-Star em breve. A franquia de Sacramento depende muito do crescimento de seu jovem armador para reencontrar o caminho dos playoffs, do qual não participa há quase 15 anos.  E, em 2019-20, Fox vinha demonstrando aos fãs dos Kings que eles podem confiar na sua capacidade, com médias de 20,4 pontos, 6,8 assistências e 1,4 roubos de bola por jogo na liga. 

  • 17 - Shai Gilgeous-Alexander (21 anos, Oklahoma City Thunder):

Além de ter o maior sobrenome da história da NBA, Shai também é dono de um talento indiscutível. O jovem ala-armador do Thunder é peça fundamental do time mais surpreendente da temporada 2019-20, quinto lugar na difícil Conferência Oeste, com 40 vitórias e 24 derrotas. Ele pode parecer muito magro para um jogador da NBA, mas não se engane, a capacidade atlética de Shai pode te surpreender.

Na atual temporada, ele é um dos atletas que lidera a corrida para o prêmio de Most Improved Player (jogador que mais evoluiu), pois deu saltos gigantes de produção. Saiu de 10,8 para 19,3 pontos por jogo e 2,8 para 6,1 rebotes por jogo, além de ter melhorado seu aproveitamento nos arremessos de dois pontos e lances-livres. Muito da evolução se deve à sua mudança de posição. Pelos Clippers, em 2018-19 atuava como armador reserva. Já no Thunder, atualmente, com a companhia de Chris Paul, serve como ala-armador e consegue explorar muito mais suas capacidades em quadra.
  • 16 - Jamal Murray (23 anos, Denver Nuggets):

O jovem canadense é dono de um potencial gigantesco. Desde sua entrada na liga, há quatro anos, seus números só escalam até o topo. Ao lado de Nikola Jokic, ele protagoniza uma dupla que ainda dará muitas alegrias à torcida de Denver. Jamal é um pontuador extremamente perigoso. Tem um arremesso de média e longa distância sempre preciso, além de ser um dos melhores arremessadores de lance-livre da NBA, com quase 90% de aproveitamento na carreira.

O "Flecha Azul", como é conhecido, tem potencial para ser All-Star por muitos anos na liga, já que também figura no elenco de uma das equipes com futuro mais promissor da NBA. Duas melhorias possíveis no seu estilo de jogo seriam: defesa e visão de quadra. Para um armador titular, seus números de assistência são muito baixos, cerca de quatro por jogo. Além disso, ele não coloca o mesmo esforço defensivo que ofensivo em quadra, talvez por não ser um jogador tão atlético.
  • 15 - Jaylen Brown (23 anos, Boston Celtics):

Brown é um atleta tão firmado na NBA e tão maduro que muitos deviam achar que ele era mais velho. Mas, no auge dos seus 23 anos, o ala-armador titular dos Celtics ainda tem muita estrada pra percorrer na liga. Dono de um atleticismo imensurável, Brown tem uma ética de trabalho tão correta que o seu único destino é uma longa carreira de sucesso. 

Um dos melhores defensores de perímetro da NBA, mas também um exímio pontuador. Na temporada 2019-20, Jaylen tem suas melhores médias na carreira em pontos (20,4), rebotes (6,4), assistências (2,2) e roubos de bola (1,1). Esse ano, inclusive, foi um dos cotados a participar do All-Star Game, mas ficou de fora por pouco, assistindo seu colega de equipe, um ano mais novo, Jayson Tatum, brilhar entre as estrelas.
  • 14 - Zion Williamson (19 anos, New Orleans Pelicans):

Zion talvez seja o dono do maior potencial de todos que estão nessa lista. Digo, o céu é o limite para esse moleque. É o novato mais hypado da NBA desde LeBron James. E ele vem conseguindo o mais difícil: corresponder. É o jogador mais jovem nessa lista, e o único por quê dele não estar melhor classificado é: ele atuou em apenas 19 jogos na liga (passou boa parte da temporada contundido). 

Nesses 19 jogos, Zion, um novato de 19 anos (vale lembrar), conseguiu médias impressionantes de 23,6 pontos e 6,8 rebotes por jogo. Não é fácil. Entrar na melhor liga de basquete do mundo, tão jovem, com tanta expectativa, voltando de lesão e fazer o que ele fez na temporada até aqui. Zion é simplesmente uma força da natureza. Sua forma física engana. Ele é baixo para um ala-pivô, além de parecer estar acima do peso, com seus impressionantes 129kg. Mas talvez seja um dos jogadores mais atléticos da história e isso é inegável. O sucesso de Zion depende de como ele manterá sua saúde. Lesões podem ser a única pedra no caminho desse monstro.
  • 13 - Ja Morant (20 anos, Memphis Grizzlies):

Poucos jogadores tão empolgantes de se assistir na NBA como Ja Morant. Se tem uma coisa certa ao assistir um jogo dos Grizzlies é: o armador vai fazer alguma jogada espetacular. Uma enterrada, um crossover, uma assistência, seja o que for, Ja faz bem e gosta de enfeitar, mas da melhor maneira possível, não desnecessariamente. O poder atlético desse cara é simplesmente enlouquecedor (basta ver a foto acima). Muito do seu jogo lembra o jovem Russell Westbrook.

Antes da chegada de Zion, Ja era indiscutivelmente o Rookie Of The Year, melhor novato da temporada. Mas, mesmo com 19 jogos, Zion botou uma pulga atrás da orelha dos fãs. Pela continuidade, regularidade, Morant ainda lidera e tende a ser eleito por unanimidade, com médias incríveis de 17,6 pontos e 6,9 assistências por jogo, números muito maduros para um jogador tão jovem. Logo será um dos grandes nomes da NBA, acostumem-se a ouvir. 
  • 12 - Kristaps Porzingis (24 anos, Dallas Mavericks):

A partir desse momento, essa lista consta apenas com jogadores que, mesmo jovens, já participaram do All-Star Game pelo menos uma vez, o que é uma conquista e tanto na NBA. Kristaps Porzingis participou do evento em 2018, na sua terceira temporada na liga. Hoje, atuando como pivô no Dallas Mavericks, ele tem ótimas médias de 19,2 pontos, 9,5 rebotes e 2 tocos por jogo. Porzingis já passou por tanto na liga que parece até mais velho, mas ainda tem um futuro brilhante pela frente.

O jogador, nascido na Letônia, é o típico pivô europeu. Quem o vê, no auge dos seus 2,21m, pensa que é puro físico, mas ele é recheado de técnica. É capaz de ferir os adversários com bons arremessos de média e longa distância, além de saber usar bem o trabalho de pivô, de costas para a cesta. Quando passou de ala-pivô para pivô, sua massa muscular precisou ser muito bem trabalhada e, hoje, Kristaps tem o corpo totalmente preparado para as duras brigas no garrafão que acontecem na NBA.
  • 11 - D'Angelo Russell (24 anos, Minnesota Timberwolves):

Apesar de ser muito jovem, D-Lo já está na sua quinta temporada na liga e foi All-Star em 2019. Ele foi escolhido em segundo lugar no draft de 2015 pelo Los Angeles Lakers, mas deixou a desejar nas suas atuações pela franquia. Quando foi trocado para o Brooklyn Nets, ganhou um papel de liderança e comandou a equipe numa subvalorizada jornada aos playoffs do ano passado. Em Brooklyn, Russell ganhou a maturidade necessária para dar o próximo passo na sua carreira, além de ter lapidado bem seu potencial.

Russell é um armador com baixo poder atlético. Não é tão forte, nem tão rápido, mas o que falta a ele na parte física, sobra na técnica. É um dos jogadores mais habilidosos da NBA, além de ser um pontuador extremamente prolífico, capaz de massacrar os adversários de qualquer lugar da quadra. Além disso, D'Angelo tem uma característica pouco comum em atletas tão jovens: ele é decisivo. Já foi autor de diversos arremessos nos últimos segundos de jogos na sua carreira, com sangue frio. Hoje, no Timberwolves, tem médias de 23,1 pontos e 6,3 assistências por jogo. Tende a ter uma carreira brilhante pela frente.
  • 10 - Domantas Sabonis (24 anos, Indiana Pacers):

Sabonis é mais um jogador que deu um salto gigantesco de produtividade na temporada 2019-20 da NBA. Ele foi All-Star esse ano, com médias de 18,5 pontos, 12,4 rebotes e 5 assistências por jogo. As cinco assistências por jogo não são surpresa, mesmo falando de um pivô, já que Domantas é filho de Arvydas Sabonis, um dos melhores pivôs passadores da história da NBA, lenda do Portland Trail Blazers. 

Domantas é o clássico grandalhão europeu, domina os fundamentos do jogo com maestria, é inteligente com a bola na mão e sem ela. Se tornou um pontuador importante para o Indiana Pacers na ausência de Victor Oladipo, além de ser um dos melhores reboteiros da liga hoje. Passou de sexto-homem valioso para titular absoluto. Evoluir faz parte da carreira de Sabonis e ele não tende a parar. O lituano deve ser All-Star mais algumas vezes na carreira, além de ser um dos futuros grandes pivôs da liga.
  • 9 - Brandon Ingram (22 anos, New Orleans Pelicans):

Ingram está na sua quarta temporada na NBA e jogando melhor do que nunca. Ele, assim como Sabonis, também foi All-Star pela primeira vez em 2020, com médias impressionantes de 24,3 pontos, 6,3 rebotes e 4,3 assistências por jogo na temporada. Ingram, no jovem time dos Pelicans, assumiu a responsabilidade de ser o cara da franquia enquanto Zion não desabrocha como grande astro.

Mas, quem via o jovem Brandon nos Lakers, antes de ser trocado para New Orleans, já percebia que só precisava de um pequeno empurrão para ele se tornar o grande jogador que todos esperavam. Ingram é o ala perfeito para a NBA. Alto, atlético, com uma envergadura enorme, tem a forma física semelhante à de Kevin Durant, e, guardadas as proporções, o estilo de jogo também. Ótimo arremessador de longa e média distância, bom infiltrador, não tem medo de contato, além de ser um defensor subestimado. Sua agilidade, para um atleta de seu tamanho, permite com que marque jogadores mais baixos e rápidos. Mais um nome dos Pelicans que promete nos próximos anos.
  • 8 - Devin Booker (23 anos, Phoenix Suns):

Todos sabiam que Booker estava destinado à grandeza quando, em 24 de março de 2017, aos 20 anos de idade, na sua segunda temporada na liga, ele marcou 70 pontos contra o Boston Celtics no TD Garden. 70! Aos 20 anos! Ele se tornou o jogador mais jovem da história da NBA a marcar mais de 60 pontos numa partida. Só para vocês entenderem, o recorde de pontuação de Michael Jordan em uma única partida é 69 pontos. Só para vocês entenderem o tamanho do feito desse moleque.

Muitas pessoas o consideram um dos jogadores mais subvalorizados da NBA, já que ele só foi All-Star pela primeira vez em 2020, depois de alguns anos bem sólidos com a camisa dos Suns. A verdade é que Booker é um dos melhores pontuadores da NBA. Ponto. Além de ser um dos melhores construtores de jogadas da liga. Ele tem médias de 26,1 pontos e 6,6 assistências por jogo. Mas, ao contrário de outros jovens jogadores tão capazes quanto, Booker ainda não conseguiu fazer do Phoenix Suns um time competitivo, nunca os levou aos playoffs. Lhe falta ajuda ou algo a mais? 
  • 7 - Bam Adebayo (22 anos, Miami Heat):

Mais um jovem que ganhou sua primeira seleção para o All-Star Game em 2020, Bam Adebayo conseguiu isso através de muito esforço. Bam está longe de ser o jogador mais técnico ou pontuador, mas tem um físico sobre-humano. É extremamente forte, rápido e tem uma impulsão absurda, o que compensa sua baixa estatura para um pivô. 

Mas, de todas as suas qualidades, sem dúvidas, Bam alcançou o próximo passo na carreira através da defesa. Hoje, é um dos melhores defensores da liga por um simples fator: ele consegue marcar qualquer um. Coloque Adebayo na sombra do melhor jogador adversário e ele tende a anulá-lo. Não acreditam? Bam tem 1,3 tocos e 1,2 roubos de bola por jogo na temporada, é top 20 da liga nas duas categorias. Sua agilidade faz com que defenda jogadores mais baixos e rápidos, sua força e impulsão faz com que defenda os pivôs mais duros da liga. Certamente estará no All-Defensive First Team esse ano e tem um potencial de evolução absurdo.
  • 6 - Jayson Tatum (22 anos, Boston Celtics):

Tatum é daqueles jogadores que muito em breve devem estar brigando pelo prêmio de MVP da liga. Assim como alguns outros desta lista, foi All-Star pela primeira vez em 2020, o mais jovem deste ano. Na sua terceira temporada na NBA, após a saída de Kyrie Irving de Boston, Tatum mostra para a gerência da franquia que eles não precisam de nenhuma outra grande estrela, ele será o cara do futuro dos Celtics.

Ele é um ala completo, dos sonhos de qualquer torcedor. Pontuador eficaz de qualquer lugar da quadra, excelente arremessador e infiltrador, atlético, com uma ótima envergadura, muito bom no setor defensivo e nem um pouco egoísta. Se encaixa com uma luva no fluído sistema de jogo de Brad Stevens no Boston Celtics. Na atual temporada, tem as melhores médias da carreira nas cinco principais categorias: 23,6 pontos, 7,1 rebotes, 2,9 assistências, 1,4 roubos de bola e 0,9 tocos por jogo na liga. Um detalhe curioso sobre Tatum é que ele já disputou 218 jogos na NBA e foi titular em todos eles. O futuro verde passa totalmente por suas mãos.
  • 5 - Donovan Mitchell (23 anos, Utah Jazz):

O principal fator estelar de Donovan Mitchell é a surpresa. Poucos esperavam que o seu sucesso fosse tão meteórico. Já na sua primeira temporada, em 2017-18, ele teve média superior a 20 pontos por jogo e foi forte candidato a novato do ano (perdendo o prêmio para Ben Simmons). Em 2020, participou do seu primeiro All-Star Game e já tem média de quase 25 pontos por jogo. O jovem que surpreendeu a muitos, pretende continuar evoluindo e subindo degrau por degrau na liga.

Sob o comando de Quinn Snyder, no Utah Jazz, ele achou um ambiente perfeito para se tornar a estrela que já é. Talvez um dos melhores e mais atléticos pontuadores da liga, Donovan é dono de um poder físico impressionante. Seu trabalho duro e dedicação são exemplares. O garoto não só já está entre os grandes mas almeja ainda mais, isso é claro toda vez que o camisa 45 pisa em uma quadra de basquete. Além do Slam Dunk Contest vencido por ele em 2018, tenham certeza que mais premiações virão por aí.
  • 4 - Trae Young (21 anos, Atlanta Hawks):

Trae é daqueles jogadores que aparecem toda geração e todos já sabem que alcançará o sucesso. Desde que jogava no colegial, já era famoso na internet e marcado como um futuro grande astro. E ele vem cumprindo a escrita. Na atual temporada, apenas sua segunda na liga, já foi All-Star pela primeira vez, é o quarto maior pontuador da NBA com 29,6 pontos por jogo e segundo maior assistente com 9,3 assistências por jogo.

Muitos consideram Trae como o "próximo Steph Curry" pelo estilo de jogo muito semelhante. Não tão alto, não tão atlético, não tão bom na defesa, mas um grande problema no setor ofensivo. Simplesmente completo. Ótimo infiltrador, melhor ainda arremessador. Não existe distância para Trae Young. Se ele der um passo após a linha de meia-quadra, já deve ser marcado com cautela. Hoje, também já está entre os jogadores mais habilidosos da liga, além de ter uma visão de quadra fora do normal e, apesar de gostar de pontuar, não é nada egoísta (os números de assistência falam por si só). Se não tivessem jogadores sobrenaturais nessa liga, ele já estaria brigando por MVP nessa temporada, mas ainda precisa dar um passo adiante, principalmente no sucesso coletivo.
  • 3 - Ben Simmons (23 anos, Philadelphia 76ers):

O australiano é uma força da natureza. Não é comum se ver um armador de 2,08m e 109kg e só isso já é uma vantagem. Mesmo com esse tamanho, é ágil e habilidoso ao extremo. Seu poder físico fala por si só. E só não podemos dizer que Ben é completo porque sua fama é verdadeira: ele é um péssimo arremessador. Em 214 jogos na NBA, ele só acertou um arremesso de três pontos e esse pode ser o grande segredo para ele dar o próximo passo na carreira, já que a tendência da liga é essa.

Fora isso, Simmons é absurdo em quadra. Um dos melhores passadores (8,2 assistências por jogo) e o melhor ladrão de bolas da liga (2,1 roubos por jogo). É um jogador de inteligência aguçada, que, quando em quadra, faz todos os seus companheiros de time jogarem melhor. Ele sabe explorar as melhores qualidades de quem está do seu lado. Ben é tão bom que o próprio Rei, LeBron James, o coroou como príncipe. Certamente terá uma carreira de muito sucesso se conseguir manter as lesões afastadas.
  • 2 - Karl-Anthony Towns (24 anos, Minnesota Timberwolves):

KAT é outro daqueles que parecem ser bem mais velhos pela tamanha maturidade que demonstra em quadra. Esse é o quinto ano do jovem na NBA e ele já atingiu um patamar almejado por quase todos dessa lista: entrar em um All-NBA Team ao fim da temporada. Além disso, já foi All-Star duas vezes e foi novato do ano em 2016. Podemos dizer que Towns não só tem um futuro brilhante, mas já alcançou muito na carreira também.

Na atual temporada, números de MVP só te afastam do prêmio porque o Minnesota Timberwolves não briga por nada. São 26,5 pontos, 10,8 rebotes, 4,4 assistências e 1,2 tocos por jogo. Além disso, Karl se redescobriu como pivô. Além de ser forte, atlético e fisicamente capaz de brigar no garrafão, ele tem uma média excelente de 41,2% de aproveitamento da linha de três pontos, sendo o melhor pivô da liga no quesito. Se não for o melhor, certamente já está entre os melhores pivôs da NBA e não irá parar por aí.
  • 1 - Luka Doncic (21 anos, Dallas Mavericks):

Não tinha como o primeiro colocado ser outro. Um dos mais jovens da lista, o esloveno está na NBA apenas há duas temporadas, mas, dentre os citados, é o único que de fato tem chances de vencer o prêmio de MVP esse ano. Porque Luka, em 2019-20, fez o que um MVP faz: elevou seu time a um novo patamar. Tire Doncic dos Mavericks e verá que é um dos piores elencos da liga, facilmente. Ele consegue fazer com que sejam competitivos.

Na temporada ele tem quase um triplo-duplo de média: 28,7 pontos, 9,3 rebotes e 8,7 assistências por jogo. Lembrem-se: é a segunda temporada dele na NBA. Na corrida pelo prêmio de melhor jogador da liga, ele está entre os cinco candidatos, juntamente a estrelas já consagradas como LeBron James, Giannis Antetokounmpo e James Harden. Luka é um ala diferente dos demais. Ele tem a magia e visão de jogo de um armador, a fome de um pivô, juntas à sua habilidade inata de pontuar, noite após noite. É um daqueles jogadores que fazem os ingressos valerem, sempre dando show e mostrando que foi aos Estados Unidos para vencer e para fazer história.



Nenhum comentário